Aos anjos guardiões e aos Espíritos protetores

Capítulo XXVIII
COLETÂNEA DE PRECES ESPÍRITAS

II Preces Pessoais

11. PREFÁCIO. Todos nós temos um Espírito bom ligado a nós desde o nosso nascimento, que nos tomou sob a sua proteção. Desempenha, junto de nós, a missão de um pai para com seu filho: a de nos conduzir pelo caminho do bem e do progresso, através das provações da vida. Sente-se feliz, quando correspondemos à sua solicitude; sofre, quando nos vê sucumbir.

Seu nome pouco importa, pois bem pode dar-se que não tenha nome conhecido na Terra. Invocamo-lo, então, como nosso Anjo Guardião, nosso bom gênio. Podemos mesmo invocá-lo sob o nome de qualquer Espírito superior, que mais viva e particular simpatia nos inspire.

Além do Anjo Guardião, que é sempre um Espírito Superior, temos:

Espíritos Protetores que, embora menos elevados, não são menos bons e magnânimos. Contamo-los entre amigos, ou parentes, ou, até, entre pessoas que não conhecemos na existência atual. Eles nos assistem com seus conselhos e, não raro, intervindo nos atos da nossa vida.

Espíritos simpáticos são os que se nos ligam por certa analogia de gostos e pendores. Podem ser bons ou maus, conforme a natureza das inclinações nossas que os atraiam.

Os Espíritos sedutores se esforçam por nos afastar das veredas do bem, sugerindo-nos maus pensamentos. Aproveitam-se de todas as nossas fraquezas, como de outras tantas portas abertas, que lhes facultam acesso à nossa alma. Alguns há que se nos aferram como a uma presa, mas que se afastam, em se reconhecendo impotentes para lutar contra a nossa vontade.

Deus, em nosso Anjo Guardião, nos deu um guia principal e superior e, nos Espíritos protetores e familiares, guias secundários.

Fora erro, porém, acreditarmos que forçosamente, temos um mau gênio ao nosso lado, para contrabalançar as boas influências que sobre nós se exerçam. Os maus Espíritos acorrem voluntariamente, desde que achem meio de assumir predomínio sobre nós, ou pela nossa fraqueza, ou pela negligência que ponhamos em seguir as inspirações dos bons Espíritos. Somos nós, portanto, que os atraímos. Resulta desse fato que jamais nos encontramos privados da assistência dos bons Espíritos e que de nós depende o afastamento dos maus. Sendo, por suas imperfeições, a causa primária das misérias que o afligem, o homem é, as mais das vezes, o seu próprio mau gênio.

O homem é,…, num grande número de casos, o autor de seus próprios infortúnios. (Cap V, nº. 4 – causas atuais das aflições).

A prece aos anjos guardiões e aos Espíritos protetores deve ter por objeto solicitar-lhes a intercessão junto de Deus, pedir-lhes a força de resistir às más sugestões e que nos assistam nas contingências da vida.

Texto Extraido do Evangelho Segundo o Espiritismo.

Um comentário sobre “Aos anjos guardiões e aos Espíritos protetores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *